Lenda do Chimarrão

(0)
Não informado
Não informado
Não informado

Ingredientes

 

Modo de preparo

Uma tribo de índios guaranis vivia do seu trabalho na lavoura: derrubava um pedaço de mata, plantava mandioca e milho, mas depois de quatro ou cinco anos a terra se cansava, parava de produzir e a tribo precisava emigrar para outras paragens.
Cansado de tais andanças um velho índio um dia recusou-se a seguir adiante e preferiu ficar sozinho na tapera. A mais jovem de suas filhas, a bela Jary, ficou numa situação difícil: ou seguia adiante com os jovens da tribo, ou ficava na solidão, prestando arrimo ao ancião até que a morte o levasse para a paz do Yvi-Marai. Apesar dos pedidos dos moços ela permaneceu junto ao velho pai.
Essa atitude de amor mereceu uma recompensa. Um dia chegou um pajé desconhecido e perguntou a Jary o que ela queria para se sentir feliz. A moça nada pediu, mas o velho pai sim: "- Dai-me renovadas forças para poder seguir adiante e levar Jary ao encontro da tribo que lá se foi".

Entregou-lhe o pajé uma planta muito verde, perfumada de bondade, e ensinou que a plantasse, colhesse as folhas, secasse-as ao fogo, triturasse, colocasse os pedacinhos num porongo (fruto também conhecido como cabaça e com o qual, depois de seco, se faz a cuia), acrescentasse água quente ou fria e bebesse essa infusão: "-Terás nessa nova bebida uma nova companhia saudável mesmo nas horas tristonhas da mais cruel solidão". Deu a receita e partiu.
Foi assim que nasceu e cresceu uma planta chamada caá-mini. Dela resultou a bebida caá-y, que os brancos mais tarde chamaram de chimarrão.
Sorvendo aquela verde seiva o ancião recuperou-se, ganhou força e pode empreender a longa viajem até o reencontro com os seus. Ao chegarem, foram recebidos com a maior alegria e a tribo toda adotou o costume de beber a infusão da erva verde, amarguinha e gostosa, que dava força, coragem e confortava mesmo nas horas tristonhas ou da mais total solidão.

Evolução Histórica

O uso desta planta como bebida tônica e estimulante já era conhecido pelos indígenas de toda a América. Em túmulos pré-colombianos de Ancon, perto de Lima, no Peru, foram encontradas folhas de erva mate ao lado de alimentos e objetos, demonstrando o seu uso pelos incas.
Desde os primórdios da ocupação castelhana no Paraguai, indicado por Don Hernando Arios de Saavedra (governante de 1592-1594), observou-se a utilização da erva mate pelos indígenas.

Os primeiros jesuítas estabelecidos no Paraguai, fundaram várias feitorias, nas quais o uso das folhas de erva mate já era difundido entre os índios guaranis, habitantes da região.
Posteriormente observou-se que os indígenas brasileiros, que habitavam as margens do rio Paraná, também se utilizavam dessa planta. Outras tribos localizadas em regiões onde não havia ocorrência natural da essência, possuíam o hábito de consumí-la, obtendo-a através de permuta. Essas tribos localizadas no Peru, Chile e Bolívia, transportavam o produto por milhares de quilômetros.

Orientados pelos jesuítas, instalados num território chamado Companhia de Jesus do Paraguai (denominação dada no século XVII aos territórios das províncias do Paraguai, Buenos Aires e Tucuman), os indígenas iniciaram as plantações de erva mate.
Junto com a implantação dos ervais, os jesuítas aprofundaram-se no estudo do sistema vegetativo da planta, visto que as sementes caídas das erveiras não germinavam naturalmente. Os jesuítas definiram a melhor época de colheita de sementes e um padrão de preparo e cultivo da erva mate.
Por mais de 1 século e meio (de 1610 a 1768, quando se deu a saída forçada da Companhia de Jesus), os jesuítas exploraram o comércio e a exportação do mate. O Padre Nicolós Durain observou que os índios tomavam o mate em água quente, não podendo passar sem ele no trabalho, pois era, muitas vezes, o único sustento.

As bandeiras paulistas, que de 1628 a 1632 percorreram as regiões de Guairá, regressaram trazendo índios guaranis prisioneiros, e com eles o hábito de beber chimarrão.